Avesso

Vamos lá. São só algumas palavras.
Só algumas palavras entaladas entre a cabeça e o resto do seu corpo. Há quanto tempo estão mofando aí?
Não importa o tempo. Só importa que saiam. Que se joguem na lama, nos buracos... Qualquer canto longe de mim.
É doloroso pensar que não tenho ninguém a essa altura da vida. Tão nova e tão velha. Só depende do ponto de vista e do estilo de vida que se leva.
Amigos são amigos e por favor, não se ofendam.
Não tenho pai, não tenho mãe. Por que demorei tanto para perceber? E perceber isso dói. Dói mais ainda quando sei que estão vivos, tão perto de mim e tão longe. Não tenho pai, não tenho mãe...
Mas tenho um buraco enorme no peito. E cerveja, cigarros, livros, filmes, trabalho, trabalho, trabalho... Nada tem servido para preenchê-lo.
Não tem um colo só meu e não me permito ter um. Não permito que saibam lidar comigo. Instantaneamente me remendo, algo mal feito, só pra não ter de esperar as palavras quentes e acalentadoras. Só pra passar logo para a parte do "felizes enquanto é tempo". Sou afobada. E minto ao dizer que sou paciente.
Sempre forte, sempre protetora. Nunca frágil, quase nunca precisando de um protetor. Reclamo e eu mesma sou a culpada.
Empurro um mundo com a barriga e carrego aos tropeções meus irmãos nas costas. Não sei lidar com isso. Com eles. Com nós. Mas os carrego. Não posso deixá-los pra trás, não posso deixá-los em canto nenhum. Tem sempre de ser perto de mim.
Eu tentei. Muitas e muitas vezes. E falhei em todas. Nós duas falhamos.
Me sinto tão vazia. Da vontade de virar do avesso, pra ver se surge algum ânimo. Mas não vai surgir nada. Só mais vazio do outro lado. Só vazio em tudo.
Em tudo que digo.
Portanto, se me encontrar na esquina, no bar, em qualquer lugar... Não puxe conversa, não vai fazer bem. Você vai sair sobrecarregado, cansado e desejando virar do avesso também.

This entry was posted in . Bookmark the permalink.

2 Responses to Avesso

  1. Juliana says:

    Perpectiva, amiga.


    Vamos fazer um som. Dormir algumas horas. Olhar o sol virar lua. E voltar para o problema com a cabeça mais leve. Com algumas citações inspiradoras daquele livro de cabeceira.

    Seus irmãos são o que te impedem de levantar os braços e jogar tudo para o alto. A âncora é pesada e te prende ao porto... Porque é pra isso que ela foi feita, não é?

  2. Pamela says:

    Sou afobada. Acho que nós escrevemos sobre nós, mas acaba se encaixando na outra. Não consigo nem ajudar. Não consigo nada. E escrever não ajuda mais como ajudava. E pra que servirá esse comentário? Nada. Ei, só devemos nos lembrar que a tristeza não tem fim, felicidade sim. ( e ela existe, a felicidade, tendo fim, existe.)