Le Petit Soldat

Confesso que fiquei inquieta quando dissestes que não sabia nada sobre mim. Pensei nas cervejas, nos cigarros, nas músicas, comentários sobre livros, sobre filmes. Pensei em minha melhor amiga, nas cervejas, na chuva, em Novos Baianos, em

Meta

Amor

Fase.

Não sabia aonde você queria chegar.
A chuva caiu durante toda a noite, a conversa corria bem. Marcamos o teatro, mais cervejas, mais cigarros. Derramei sobre você minhas reclamações familiares, as vontades de domingo, o cansaço antecipado da segunda-feira e a preguiça de mais uma semana. Conversas e mais conversas, declamações dos meus poetas favoritos. Repassei por toda a minha mente o que já tinha mostrado pra você. Como pode não saber nada sobre mim?
Cozinhei lasanha, arroz com brócolis, mais cervejas, mais cafés, mais cigarros. Filmes que não conseguimos assistir inteiros. Citações favoritas. Meus melhores amigos. Cozinhei pra você. Cantarolei Chico, Caetano. Citei Fernando Pessoa. Dividimos cervejas, minha vida, cafés, meus melhores amigos. Ainda assim você parecia não saber nada sobre mim.
Almoços, filmes, lanches, cafés, teatro, shows, cervejas, beijos, abraços, citações, declamações e meus próprios textos. Eu estava em tudo. Eu estou em tudo. Eu estou nos meus amigos e eles em mim. Estou nos meus filmes favoritos, nas minhas músicas, nos meus livros, nas cervejas, nos cafés, nas lasanhas, nas flores de guardanapo, nas gargalhadas, nas birras, nas piadas e nos seus "erres".
E estou aqui tentando entender como você não consegue saber nada sobre mim.

- "Agora sim você tá me mostrando quem você é"

E nem era sobre mim que nós falávamos.

This entry was posted in . Bookmark the permalink.

3 Responses to Le Petit Soldat

  1. "E estou aqui tentando entender como você não consegue saber nada sobre mim."

    e a gente vai se descobrindo aos poucos

  2. pensa que você pode sofrer de mal semelhante ao meu: ser várias e, por isso, ser uma completa desconhecida de quem conhece demais a gente.

  3. Paulina says:

    Ou, sofrer de amnésia. :)