Convesa de Botas Batidas

Estávamos deitadas na sua cama. Escondidas sob o lençol. Não sabíamos se era dia, tarde, noite ou cedo demais para pensar nisso. Mas nos escondíamos do mundo ali debaixo do teu lençol florido. E ao abraçar-te e sentir teu perfume, fazía-me esquecer de todo o resto.
Distribuí beijos por teu rosto, talvez numa tentativa de depositar meu amor e te fazer senti-lo mesmo na minha ausência.
- Preciso tanto de ti, meu bem.
Falei por fim, aliviando um pouco meu fardo. Meu medo - ja constante - em não declarar o que sinto sempre me atrasava, me fazia perder bons momentos, quase que me fazia perder-te. Mas desde que recebi o conselho de uma amiga para fazer do amor como quem bebe vinho para se aquecer e relaxar (e outros benefícios mais que o vinho em si trás), e desde que te conheci - o mais profundo possível -, tenho feito de meu amor por ti vinho. Um raro e divino vinho. Embriago-me nele toda vez que estou contigo.
- Morena, não sei como você consegue ser como é. Encaixa tão bem. Tão encantadora...
E a cada palavra você prendia minhas mãos nas suas. Eu não conseguia desviar meus olhos dos seus. Tão doces e sedutores. Ora tristes, ora cheio de amores. Ora somente teus.
- Acho que estou me apegando demais em você... Não sei se é bom ou ruim.
Fechei meus olhos. Concentrei-me apenas no teu perfume, no teu corpo junto ao meu, no calor que produzíamos. Você sentia o mesmo temor que eu. Talvez o certo seja apenas dúvida. Uma lágrima escorreu pelo meu rosto, você enxugou com sua mão.
- Só não esquece de uma coisa: Amo você mais do que chá com bolo.
Eu não esqueceria. Nem mil vidas seriam capazes de apagar aquele momento. Eu buscaria condensá-lo de algum modo, o reproduziria de mil formas e cores na minha mente.
- Amo você mais que queijo.
A luz apagou.
Eu estava novamente no balcão do bar, acendendo o último cigarro do maço, bebendo a última dose de vodca que podia pagar. Sua presença continuava tão forte mesmo depois de anos sem vê-la. E a sensação de nunca pertencer e ao mesmo tempo pertencer, sempre prevalecia.

This entry was posted in . Bookmark the permalink.

5 Responses to Convesa de Botas Batidas

  1. Te amo mais que bolo com chá. Não me canso de repetir.

  2. Nathy. says:

    Me sinto quase uma intrusa, dando pitaco no relacionamento dos outros, rs.

    O que me surpreende mesmo é a singularidade de tudo o que tu escreve.

    (L)

  3. Ágda says:

    Ju e Nathy jamais serão intrusas :)
    Os pitacos são necessários e bem-vindos.

  4. Desirée says:

    quando a gente ama de verdade a presença fica. não importa onde nem como, ela sempre vai com você.

  5. Juliana says:

    Não é todo dia que a gente vê Agda dizer "eu te amo" sem subterfúgios. Estou contente com a coragem XD